sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Enciclopédia sobre o cristianismo é recolhida por ser "cristã demais"


Pois é, mais um caso de censura ao Cristianismo. Nos Estados Unidos, os editores da Encyclopedia of Christian Civilization tiveram que recolher e destruir a primeira edição da obra em decorrência de protestos de uma parte dos intelectuais que participaram de sua elaboração. A alegação deles: a obra de quatro volumes era "cristã demais".

O grupo de intelectuais criticou a ênfase da enciclopédia a respeito das perseguições movidas por muçulmanos contra os cristãos e reclamaram até o uso das siglas "BC" (Before Christ, ou seja, "antes de Cristo", o nosso a.C.) e "AD" (Anno Domini, que corresponde ao nosso "depois de Cristo", d.C.). Para os intelectuais ofendidos, o correto seria usar as siglas "BCE" (Before Common Era, algo como "antes da Era Comum, que seria a nossa) e "CE" (Era Comum). Além disso, queriam que expressões como "Anticristo", "Concepção Virginal" e "Ressurreição" (!!!) fossem excluídas dos textos. Esse grupo de intelectuais também exigiu a inclusão "de material denegrindo o Cristianismo de alguma forma".

A denúncia foi feita por Edward Feser, um dos colaboradores da enciclopédia, em artigo publicado no site National Review Online. A notícia também foi divulgada pela Agência Zenit nas suas edições em inglês e espanhol e na página de Damian Thompson, blogueiro do jornal britânico Daily Telegraph.

Isso me lembrou de um antigo professor meu (aliás, excelente professor, sem ironia) que se recusava a usar as siglas a.C. e d.C. Por incrível que pareça, ele usava os sinais "+" e "-" para representar os anos. Assim, Roma não teria sido fundada em 753 a.C., mas em -753. Pena que um professor tão competente tiesse uma atitude tão estúpida. Convenhamos: usem-se ou não notações de datas com referência a Cristo, o marco que define a existência de duas eras, um "antes" e um "depois", uma data "positiva" e uma "negativa", continua sendo o mesmo: o nascimento de Cristo.

De todo modo, apagar as referência a Jesus é um meio de combatê-Lo. É por isso que os tais intelectuais se empenharam (e conseguiram!) pela modificação do texto na enciclopédia e pela destruição dos exemplares já distribuídos. Denunciemos esses absurdos.

Um comentário:

Demerval Júnior disse...

Arre-égua!

Que trem mais besta-fera...

Pior que um tal gesto é saber da existência de estúpidos que dêem ouvidos a tais desvairios intelectualistóides...

Arre-égua!

"O que pode temer o filho nos braços do Pai?"

São Pio de Pietrelcina