segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

História da Salvação - Reis - 4ª Parte

Jéu servindo ao rei Salmanasar
Jeú reinou durante vinte e oito anos em Israel, tendo seu reinado começado em 842 a.C. Ele era um dos generais do então rei Jorão e subiu ao trono após tê-lo assassinado. Durante seu reinado, ele enfrentou o rei Ben-Hadad II da Síria e também o seu sucessor Hazael. Além disso, ele teve que pagar tributos ao rei Salmanasar III, que invadira a Palestina. O reinado de Jeú foi marcado por um cruento banho de sangue. Ele buscou exterminar todos aqueles que tinham ligação com a família de Acab e com o culto a Baal. Também destruiu o templo de Baal e fez desaparecer de Israel o culto a esse deus pagão. Entretanto, ainda manteve os bezerros de ouro em Dã e em Betel.

Javé não quer nenhum tipo de idolatria e nem de opressão. Aos homens, contudo, cabe “a difícil tarefa de escolher os meios para realizar a vontade divina.” Esses meios, muitas vezes, desafiam a nossa compreensão e questionamos a vontade de Deus. Deus é amor; então, por quê tanta violência? Sete longos séculos se passariam até que Jesus viesse àquela mesma terra para mostrar aos seres humanos como Deus é o verdadeiro e mais puro amor. Mais ainda, que Ele não quer a morte, mas tão somente a vida, que é dada por Ele em abundância.

O sucessor de Jeú foi seu filho Joacaz, que reinou cerca de dezesseis anos. Joacaz foi obrigado por Hazael, rei da Síria, a reduzir drasticamente o seu exército. Com a morte de Joacaz, seu filho Joás subiu ao trono em 805 a.C. e reinou durante quinze anos. Joás derrotou Hazael, rei da Síria, três vezes.

Após a morte de Joás, seu filho subiu ao trono com o nome de Jeroboão II, que reinou durante quarenta e um anos. Seu reinado foi marcado por guerras de reconquista, nas quais foi restaurado todo o território deste Hamat até ao Mar Morto.

No reino de Judá, a sucessão de reis também foi marcada por guerras e mortes violentas. Com a morte de Ocozias, Atalia, sua mãe, mandou matar todos os possíveis herdeiros ao trono e assumiu o poder durante seis anos. Ela não foi uma rainha, mas uma regente. Seu governo foi marcado pela promoção ao culto a Baal, o que custou-lhe o ódio tanto do povo quanto dos sacerdotes. Em vingança contra a execução da família de Acab, Atalia mandou executar todos os membros da casa de Davi. Entretanto, o sumo sacerdote Joiada criara escondido no templo de Jerusalém o filho de Ocozias, herdeiro do trono, que lhe fora entregue por Joseba com a idade de um ano. Joseba também era filha de Jorão. O nome do menino era Joás. Quando Joás completou sete anos de idade, Joiada o coroou rei dentro do templo com a proteção e o apoio da guarda real. Ao saber disso, Atalia foi ao templo para impedir a rebelião, mas acabou sendo executada junto aos portões por ordem de Joiada. Após isso, foram destruídos o templo e o altar dedicados a Baal.

Joás de Judá reinou durante quarenta anos em Jerusalém. Ele reformou o templo de Jerusalém e, enquanto governava, o rei Hazael da Síria conquistou Gat e se dirigiu a Jerusalém. Antes que ele atacasse a cidade, Joás entregou-lhe os tesouros do palácio e os tesouros do templo e este, então, retirou-se da capital de Judá.

Nilson Antônio da Silva

Um comentário:

Ecclesiae Dei disse...

Olá!
tem um presente para você lá no blog.
Passa lá!
http://ecclesiaedei.blogspot.com.br
Abraço
João Batista

"O que pode temer o filho nos braços do Pai?"

São Pio de Pietrelcina