segunda-feira, 27 de outubro de 2008

História da Salvação - Davi


Davi, o mais novo dos oito filhos de Jessé, foi ungido por Samuel para ser o rei de Israel, conforme Deus ordenara ao profeta. Jessé era um homem de vida simples e, portanto, Davi teve uma origem humilde. Conforme narram as Sagradas Escrituras, ele possuía um semblante formoso, tinha cabelos ruivos e era muito gentil. Na língua hebraica, seu nome significa “amado”, “querido”.

Após a unção, Davi foi viver na corte de Saul, exercendo a função de músico. Ele era um hábil tocador de harpa e, assim, foi chamado para suavizar a melancolia que devorava o rei hebreu. Durante uma disputa com os filisteus, Davi conseguiu matar o maior soldado daquele povo usando apenas uma atiradeira. Depois deste acontecimento, ele foi colocado na liderança de várias expedições militares, das quais sempre retornava vitorioso. Jônatas, o provável herdeiro do trono, e Davi se tornaram grandes amigos, o que foi fundamental para que, mais tarde, este último conseguisse o apoio necessário para se tornar o rei de todo o povo de Deus.

Com o passar do tempo, começou a surgir inimizade entre Saul e Davi, sendo que ele acabou sendo expulso da corte e passou a ser perseguido pelo rei. Enquanto isso, Saul entrou em franca decadência e, após sua morte, Davi conseguiu se tornar rei de fato.

Ele passou a governar a tribo de Judá e Isboset, que era filho de Saul, governou as outras tribos pelo curto período de dois anos. Este havia sido proclamado rei de Israel por Abner, o capitão do exército de Saul. Durante esse tempo em que os dois estavam reinando em Israel, o povo se viu mergulhado numa verdadeira guerra civil, a qual só terminou após diversas batalhas e manobras políticas, cujo fim realmente se efetivou com a morte de Isboset. Então, Davi foi escolhido para governar todo o Israel.

Inicialmente, ele teve de enfrentar as constantes invasões dos filisteus e ainda conseguir o reconhecimento e apoio de todas as tribos de Israel. Ele conseguiu unificar, a pedido do povo e através de seu consentimento e sem imposição, todas as tribos sob seu governo. Depois disso, ele fez uma aliança com os sacerdotes de Jerusalém e fez dela a capital de Israel, que anteriormente era a cidade de Hebron. É interessante notar que Jerusalém ainda não pertencia a Israel, portanto sua escolha evitou possíveis ciúmes entre as tribos.

Por esse tempo, Davi começou a consolidar o reino de Israel e a conquistar ainda mais as terras dos filisteus, encurralando este povo cada vez mais junto à costa do Mar Mediterrâneo. Já em idade avançada, Davi quis construir um templo para o Senhor em Jerusalém, cidade para a qual ele já havia levado a Arca da Aliança. Porém, este templo seria construído por Salomão, seu filho e sucessor.

Davi governou Israel por quarenta anos. Ele é considerado o rei ideal, ou seja, aquele que obedece a Deus e serve ao povo. Sem dúvida, foi um político hábil, que conseguiu a simpatia do povo, estando ao seu lado para protegê-lo, defendê-lo e guiá-lo. A história vê em Davi o modelo da autoridade política justa.

Além disso, ele foi um grande poeta, tendo escrito vários salmos, e foi também de uma grande popularidade em seu tempo e durante os séculos que se seguiram. Quando se lê a sua história, é possível observar o quanto ele fez de coisas boas e também o quanto aprontou com atos nada éticos e muito menos heróicos. Sua vida foi marcada por incidentes dos mais inimagináveis possíveis, numa surpreendente sucessão de contradições de comportamento difícil de entender pelos nossos padrões sociais. Nele podiam se encontrar paixão e altivez, generosidade e ternura, determinação e coragem e, tudo isto, numa mistura que parece à primeira vista das mais explosivas. Entretanto, foi desta complexidade que brotaram as qualidades de estadista, soldado, poeta, sacerdote, profeta e rei.

Na história de sua vida podemos ver claramente o desenrolar da aventura humana, ou seja, todas as fraquezas e forças que permeiam a nossa vida, com seus momentos de alegria, dor, fidelidade e queda. Seu nome é citado em vários livros da Bíblia mas, para conhecer melhor sua história, é só ler os livros de Samuel, os quais narram detalhadamente o período de transição do modelo de governo tribal para o governo monárquico.

Finalmente, é preciso ressaltar que o ponto mais importante de sua história é a profecia de Natã, onde o profeta anuncia que o trono de Jerusalém sempre será ocupado por um messias (rei ungido) da família de Davi. Esta profecia teve seu pleno cumprimento em Jesus, o Messias. Os Evangelhos, ao apresentarem Jesus como descendente de Davi, mostram que ele é o Messias esperado, que veio ao mundo para reunir todos os homens e levá-los à vida plena e eterna.

Nilson Antônio da Silva

Um comentário:

Kenosis disse...

Pax Christi, irmãozinho! Davi encanta pela sua vida de homem comum, que erra, que peca, que cai, e no entanto sem deixar Deus de lado, sem deixar de gritar para Deus, e cantar o Seu amor. Vi os filmes sobre ele e também encantam a alma. Deus Amor nos leve pela mão e nos fortifique a fé e nosso relacionamento com Ele e Seu Amor! Abraços in Domino et Maria semper!

"O que pode temer o filho nos braços do Pai?"

São Pio de Pietrelcina